Onde estou agora: Nova Zelândia

Top

Quando tive entrada negada na imigração das Bahamas


Quem tem acompanhado o blog sabe que eu não escrevi muito no último ano, mas vou escrever uma desculpa esfarrapada: O blog se chama “Do Canadá ao Brasil”, e não fazia muito sentido escrever o que não fazia parte dessa aventura, mas ainda assim não resisti à tentação e tive que descrever umas experiências, como atravessar os EUA de ponta a ponta de moto e alguns eventos na Flórida. Mas muitas outras coisas aconteceram nesse meio tempo, que talvez devido a correria não me permitiu compartilhar. Como minha visita aos subterrâneos de guerra de Berlin, na Alemanha, com um grupo de uma universidade holandesa, onde minha amiga estuda. Também a melhor das experiências que foi ser o acompanhante de três crianças da Gambia (3, 7 e 12 anos de idade) em um voo de NY para Seattle para o reencontro com a mãe deles depois de 3 anos separados. É uma história emocionante mas espero escrever em uma outra oportunidade.
A notícia boa é que a Flórida ficou finalmente para traz e estou escrevendo isso em uma ilha do Caribe, escutando as ondas do Atlântico quebrarem a uns 20 metros penhasco abaixo. A vista é deslumbrante. As vezes penso que estou no paraíso, mas logo lembro que o paraíso também tem seus defeitos: A cada cinco palavras escritas tenho que parar pra abanar ou coçar pela picada dos mosquitos. Chegar nesse paraíso no meio de uma mata fechada, também não é muito fácil. A estrada, estreita, boa parte de terra, é desafiante, passa por montanhas, curvas que quase te permitem ver a placa traseira do carro que você está dirigindo. Para piorar, o carro que dirijo tem o volante do lado direito e o tráfego por aqui é sempre pelo lado esquerdo. Uma das lembranças que o domínio inglês deixou por aqui. Estou escrevendo isso na minha décima parada depois da Flórida, em Grenada, o penúltimo país antes de eu chegar na América do Sul. Esse tempo pra escrever surgiu porque hoje era pra eu seguir pra Trinidad & Tobago, mas a previsão de tempo por lá não era das melhores e decidi ficar por aqui por um dia mais.
Comigo vão grandes amigos: Don, o cara que pagou pelo avião, e Rafael, que através do Don e de uma grande coincidência fui conhecer na Flórida, e acabamos dividindo o mesmo teto durante boa parte da minha estadia nos EUA. Rafael, depois dessa viagem vai ser quase um piloto. Vai faltar só o brevet! Seu interesse pela aviação é tanta que mesmo sem saber que poderia fazer a viagem comigo me ajudou imensamente com planos de voos e todos os preparativos de viagem antes de seguirmos viagem em mar aberto.
Depois de muita correria com o fim da estadia da minha mãe e avó que me deram o presente de me visitarem na Flórida, a chegada do Don, de Seattle e todo o trabalho de devolver o apartamento que Rafael e eu estávamos alugando, o dia 15 de Novembro, marcado pra nossa decolagem da Flórida, chegou. E o voo pra Bahamas, nossa primeira parada aconteceu. Bem, como só conseguimos partir pela tarde, acabei decidindo ir pra Bimini, uma ilha bem mais próxima que Exumas, onde planejamos inicialmente.  O voo foi tranquilo e após pousar naquele aeroporto um tanto rudimentar, o sorriso estampado nas nossas caras diziam tudo: Está acontecendo, estamos seguindo rumo ao Brasil! Eu amo viajar e sei que pedras no caminhos sempre surgem e estar preparado para elas é muito importante para manter a fleuma e o humor pelo mundo. Mas eu realmente não esperava que na primeira parada o desafio seria assim: Entrada negada! O oficial daquele minúsculo aeroporto, que como ele mesmo disse, no meio do nada, parecia não entender que mesmo que o visto do Rafael nos EUA estivesse vencido, seu status era legal por lá já que ele tinha conseguido uma extensão de estadia para seus estudos. Por causa disso ele impediu sua entrada nas Bahamas e consequentemente a minha, que era o piloto da aeronave que o trouxe a bordo. Rafael já não podia voltar aos EUA, por cauda de seu visto e me vi entre a cruz e a espada. Tentamos explicar para o oficial, mas ele não parecia muy amigo e nossas únicas opções eram voltar para o avião para decolagem imediata ou ser preso pelo guardinha que já estava nos aguardando. Bahamas não permite voo após o por do sol e o sol ja estava se escondendo no mar caribenho. Corremos para o avião,  e pelo celular, na correria, fiz o plano de voo e todos os requerimentos de voo internacional em 3 minutos (geralmente preciso de quase uma hora) e decolamos. Com o combustível restante não tinha para onde ir, a não ser voltar para os EUA, com um passageiro a bordo sem o visto e ver o que aconteceria por lá. A apreensão era grande mas não pudemos deixar de contemplar aquele magnífico por de sol, la de cima! Pousei no aeroporto internacional de Fort Lauderdale, na segunda posição, atrás de Boeing 737 e depois de muitas entrevistas, explicações e quase duas horas depois, a policia de imigração dos EUA nos surpreendeu e deu uma permissão de uma semana para o Rafael, com uma condição: Eu deveria assinar uma carta de deportação, em que eu seria o piloto responsável pela sua saída do país! Com o apartamento devolvido, tivemos que, ironicamente, buscar um hotel no nosso primeiro dia de viagem, na cidade onde moramos por quase um ano. Achando um luxo por não ter que dormir atrás das grades…

Fila de decolagem do aeroporto internacional de Fort Lauderdale. O que será que os pilotos das linhas aéreas pensavam quando viam esse teco-teco competindo espaço naquele aeroporto?

Taxiando um cessna 172 no meio de jumbos da Boeing e airbus no aeroporto internacional de Fort Lauderdale

 

Taxiando um cessna 172 no meio de jumbos da Boeing e airbus no aeroporto internacional de Fort Lauderdale

Vídeo do voo da Flórida à Bahamas:

, , , , , , , ,

4 Comentários à Quando tive entrada negada na imigração das Bahamas

  1. Sandra cavblacanti 22/04/2014 at 18:50 #

    Nossa que aventura é DEUS que te protege.Sucesso em suas futuras viagens!bjs.da tia que te curte de montão.

    • Gusti 23/04/2014 at 04:16 #

      Pelo menos tem história para contar né! rsrs Obrigado e beijo!

  2. Cláudio Ferreira 14/12/2012 at 10:18 #

    Muito bom Gustavo.
    Back to adventure!!
    Pelo visto este ano o natal será em BH.
    Grande abraço e bons voos.

    Cláudio F. Silva

  3. solange 09/12/2012 at 22:05 #

    Maravilha seu depoimento, mais um passo para suas conquistas!!

Me diga o que achou, deixe um comentário abaixo: