Onde estou agora: Nova Zelândia

Top

Como viajar com o dólar alto?

Em Outubro eu estava numa ilha de Porto Rico e fui comer um Mofongo, uma comida local, de rua – na rua mesmo, sentado em um tamborete num lugar nada turístico. Era uma espécie de bolinho de mandioca recheado com carne. Enquanto eu saboreava era difícil não pensar no preço: 39 Reais.

Em seguida estava em Nova Iorque, pagando mais de 50 Reais no único drink que tomei numa noite que decidi sair. De Nova Iorque fui para Londres e na conversão do dia paguei inacreditáveis 30,91 Reais para um simples bilhete de metrô.

A alta do dólar, do Euro e de outras moedas estrangeiras (que na verdade deveríamos chamar de baixa do Real) está afetando sim, e bastante, a vida de viajantes brasileiros, até os mais mãos-de-vaca como eu!

O que fazer para driblar a alta do Dólar e do Euro e seguir viajando?

Aqui vai uma lista de sugestões e hábitos que independente da alta das moedas estrangeiras sempre vai esticar o seu potencial de viajar mais e por mais tempo.

1. Viaje para onde o real é mais valorizado

Se o dólar alto faz os EUA e a Europa caros para viajar, aproveite para conhecer países menos conhecidos. Leste Europeu, Sudeste Asiático (como Tailândia e Indonésia), América do Sul, Índia são todos lugares bem mais baratos de viajar. Aproveite enquanto as linhas aéreas ainda estão fazendo muitos voos para fora do país e tentando vender os assentos à preços promocionais.

Praia paradisíaca Tailândia

A Tailândia é um dos destinos preferidos do meu bolso

2. Economize na estadia

Você pode se hospedar na casa de outras pessoas de graça usando o couchsurfing, alugar um quarto, apartamento ou casa pagando bem menos que em um hotel usando o airbnb (clique aqui para coupon de U$20), o roomorama (clique aqui e ganhe U$50) ou como eu estava fazendo recentemente no Caribe, você pode usar o trustedhousesitters para tomar conta da casa e/ou dos animais de alguém enquanto o dono viaja. E claro, nunca faça uma reserva antes de buscar promoções pelo booking.com .

3. Economize na alimentação

Evite comer em restaurantes. Principalmente em países mais caros como os EUA, Europa, Austrália. Em muitos supermercados desses países é fácil achar sanduíches, comida pronta ou semi-pronta a um preço bem mais atrativo, ou se preferir e tiver a comodidade de um fogão pelo airbnb ou em um hostel por exemplo, cozinhar pode sair bem mais barato.

4. Alugue um espaço da sua casa

Alugue um quarto disponível na sua casa pelo airbnb e coloque a descrição em inglês. Aproveite que a alta do dólar, a copa e as olimpíadas estão levantando o turismo de estrangeiros no Brasil e engorde seu cofrinho de viagem. Clique nesse link e ganhe crédito para hospedagem.

5. Pegue caronas

Em muitos países da Europa é comum pedir carona e não é difícil achar na internet ou em fóruns pelo couchsurfing os melhores pontos de espera ou se o seu espírito não for tão aventureiro use e abuse do blablacar para viajar pela Europa, e agora também no Brasil! É geralmente bem mais barato que trem e ônibus e você ainda ganha a chance de poder praticar um idioma ou fazer amigos.

6. Voe de Low Cost

Em vários países do mundo existem companhias aéreas vendendo passagens a preços de banana. Literalmente! Já voei pela Ryanair por exemplo pagando apenas 1 Libra! Alguns exemplos pelo mundo:

Europa: Ryanair, EasyJet, Wow air, Wizz Air.

EUA: Jetblue, Spirit Airlines.

Ásia: Airasia, Tiger Air, Lion Air.

Outras opções, por países nessa lista aqui.

7. Viaje de Cruzeiro

O que? Sim, viajar de cruzeiro pode ser uma boa saída para economizar dinheiro em uma viagem ao exterior, por incrível que pareça. Mas anote essas dica: Faça a travessia do Atlântico! Em Novembro, pela segunda vez, vim da Europa ao Brasil à bordo de um cruzeiro em travessia, com todo luxo e atrações de um cruzeiro normal. As travessias acontecem entre Outubro e Dezembro da Europa ao Brasil. E de Fevereiro à Abril do Brasil à Europa. Quem fica atento pode achar promoções a partir de U$300 incluso toda a hotelaria, comida à bordo, as paradas em portos brasileiros, ilhas do Atlântico e na Europa.

Tobogã costa favolosa

Olha eu ali no tobogã me divertindo! Você pode atravessar o oceano atlântico por a partir de U$300!

8. Ande de Uber

Uma corrida de uber pode sair inclusive mais barato que ônibus ou metrô, se estiver acompanhado. Caso negativo, ande de transporte público mesmo. Para mim nada melhor do que ônibus e metrô para observar a vida local. Se ainda não se inscreveu use meu coupon e ganhe uma corrida de graça de até U$15: ubervagamundagem ou use esse link aqui. 

9. Esqueça compras

Fazer compras não é o meu forte e até esqueço desse item quando me pedem dicas de como gastar pouco em viagem. Mas a verdade é que o impulso de comprar pode acabar fazendo sua viagem sair bem mais cara do que deveria. Pense nas suas prioridades, você está viajando para acumular experiências ou coisas? O que eu levo sempre comigo são as memórias, as conversas com os novos amigos e as experiências.

10. Economize com plano de saúde

Eu já tentei provar o contrário e não consegui, viajar sem plano de saúde não é uma ideia muito esperta. Mas vou confessar uma coisa: A primeira vez que eu comprei um seguro de saúde foi depois de anos viajando sem e foi para garantir a segurança dos meus pais quando eles viajaram para a Europa. Depois de muita pesquisa cheguei no squaremouth, que compara preços das melhores seguradoras, revisados por viajantes que precisaram usá-los. (Para quem fala inglês apenas)

11. Venda sua arte

Leve suas artes para serem vendidas fora do país. Seja pinturas, desenhos, bijuterias, camisetas, crochê. Se você tiver criatividade sempre vai ter gente interessada no seu trabalho e a possibilidade de receber em moeda estrangeira prolonga a viagem de muitos viajantes. Seja original mas não duvide do potencial do nosso estereótipo “carnifolía natuberante”. Hostel e o boca-a-boca podem dar um bom ponta-pé para divulgar seu trabalho.

12. Faça bicos

Chegou em um lugar por mais tempo? Conheça gente e ofereça sua ajuda no jardim, para fazer reparos simples em uma casa, pintar. Tudo isso pode te garantir hospedagem e alimentação de graça, ou mais! Você pode usar o worldpackers para trabalhar em hostels, o wwoof, para trabalhar no campo e o workaway para várias outras alternativas.

13. Trabalhe em cruzeiros

Já imaginou não ter que gastar com hospedagem, comida enquanto você acorda a cada dia num lugar/país diferente? E mais, recebendo em dólar? Oportunidades não faltam! Conheci vários brasileiros nas travessias do Atlântico que fiz de Barcelona à Santos e da Itália ao Rio de Janeiro.

14. Viaje devagar

Com o tempo aprendi a diminuir o ritmo das minhas viagens e percebi que aproveito e conheço muito mais e acabo gastando bem menos. O Wooof, housesitting e o worldpackers mencionados acima favorecem o viajante que não tem pressa. O trustedhousesitting por exemplo, me permitiu “morar” em uma ilha paradisíaca do Caribe por 3 meses gastando quase nada.

15. Viaje pelo Brasil

Sei que é óbvio, mas o Brasil se tornou nos últimos meses muito mais favorável para viajar. Claro que os preços não diminuíram para quem recebe em real, mas apesar da inflação e da crise seu dinheiro vai de fato render muito mais do que em muitos países pelo mundo. Viajar  para uma cidade vizinha ou mesmo conhecer um bairro da sua cidade já pode ajudar a manter vivo seu espírito viajante!

cachoeira com vista para o mar bexiga ilhabela

Fui para Ilhabela ficar alguns dias e acabei ficando quase um mês inteiro!

E você? Mais algumas dicas para compartilhar? Dúvidas?

, , , , , , ,

Nenhum comentário ainda. Seja um dos primeiros!

Me diga o que achou, deixe um comentário abaixo: